Gênero e tipologia textual

Para muitos não há diferença entre Gêneros textuais e Tipologia textual, por isso se faz necessário a definição de cada termo, bem como a diferenciação entre ambos.

Por Fabiano Garcez* | Foto: Shutterstock | Adaptação web Caroline Svitras

 

Gêneros textuais

São as espécies de textos efetivamente produzidos em nosso cotidiano, cumprindo funções em situações comunicativas e que apresentam características gerais comuns — como forma, estrutura linguística e assunto — facilmente identificáveis. Como exemplos de Gêneros textuais temos a carta pessoal, a lista de compras, os cartazes, o romance etc. São inúmeras formas textuais escritas ou orais estáveis, da mesma forma que são inúmeras as práticas sociais a que elas servem. Enquanto a prática social estiver em vigor, o gênero textual a ela associado circulará. Como a vida em sociedade está sempre mudando e evoluindo, novos gêneros nascem, outros desaparecem e outros se mantêm.

 

Exemplo: O gênero “carta pessoal” já não é tão conhecido e praticado pelos alunos. Devido à democratização da informática, esse gênero caiu em desuso, sobretudo no ambiente urbano, porém nasceu o gênero “e-mail”, que tem o mesmo objetivo social da carta pessoal.

 

Tipologia textual

São composições linguísticas que têm como característica a predominância de certas estruturas sintáticas, tempos e modos verbais, classes gramaticais, combinações etc., de acordo com sua função e intencionalidade no interior do gênero textual. Se os gêneros textuais são inúmeros, a tipologia textual é limitada. São tipos textuais: Narrativo, Descritivo, Argumentativo, Expositivo e Injuntivo. Pode-se dizer que um gênero textual pode conter uma ou mais tipologias textuais. Por exemplo, para os gêneros crônica, romance, fábula, piada, contos de fadas, entre outros, a tipologia textual predominante é a narrativa. Para os gêneros anúncio de classificado, lista de compras, cardápio, cartaz de procura-se, a tipologia que predomina é a descritiva. Para os gêneros manifesto, sermão, monografia, ensaio, editorial, dissertação, a tipologia predominante é argumentativa. Para os gêneros livro didático, verbete de dicionário e enciclopédia, é a tipologia expositiva que predomina. Para os gêneros propaganda, receita culinária, manual de instruções, entre outros, é a tipologia injuntiva.

 

Textos literários e textos informativos: como incluí-los na aprendizagem

 

É importante salientar a presença do adjetivo predominante, pois cada gênero pode apresentar mais de uma tipologia, daí a designação sequência textual, já que os textos podem ser elaborados com sequências de mais de uma tipologia textual, embora sempre uma delas prevaleça. Por exemplo, em uma crônica pode haver uma sequência narrativa, uma descritiva e até mesmo uma sequência argumentativa.

 

 

O aprendizado do texto por meio do gênero textual

Todos os textos, orais e escritos, que circulam em nossa sociedade, apresentam um conjunto de características relativamente estáveis que se caracterizam por diferentes gêneros textuais e podem ser identificados por aspectos básicos, como o assunto (conteúdo temático), a estrutura (forma composicional) e os procedimentos recorrentes da linguagem (estilo).

 

Para Bernard Schneuwly, o gênero textual é uma ferramenta, ou seja, um instrumento com o qual se pode exercer uma ação linguística sobre a realidade. Dessa forma, o gênero textual produz dois efeitos de aprendizagem: amplia a competência linguística e discursiva do aluno, como também amplia o conhecimento a respeito do próprio gênero e aponta as inúmeras formas de utilizá-lo socialmente. Por exemplo, o aluno, ao saber reconhecer o assunto, a estrutura e o estilo, bem como a linguagem do gênero Receita Culinária, saberá que ela serve para instruir sobre a feitura de uma guloseima e para dar certo é necessário seguir os ingredientes, bem como as quantidades, o modo de preparo etc.
Toda ação linguística cotidiana é sempre orientada por um conjunto de fatores que atuam no contexto situacional: quem produz o texto, quem é o interlocutor, e qual é a finalidade do texto. Por se tratarem de estruturas fixas, os gêneros textuais são facilmente identificados, por ser facilmente encontrados em nosso cotidiano, ainda mais se tratando de alguns gêneros mais usados na esfera familiar, como é o caso da Receita Culinária.

 

O ensino de produção de texto por meio do gênero textual faz com que o resultado seja satisfatório, uma vez que põe o aluno em contato com uma variedade textual, ou seja, os diferentes gêneros textuais que circulam socialmente, quando isso ocorre logo nas primeiras séries, a aprendizagem se dá em espiral, uma vez que o mesmo gênero periodicamente é retomado, aprofundado e ampliado de acordo com a série, o grau de maturidade do aluno bem como com suas habilidades linguísticas.
Dessa forma, a sala de aula se transforma em uma oficina de textos de ação social e faz com que os alunos aprendam a escrever todos os tipos textuais, além de perceber que o bom texto não é aquele que apresenta característica de beleza literária, mas aquele que é adequado à situação comunicacional para a qual foi produzido.

 

 

 

*Fabiano Garcez é professor de Língua Portuguesa, literatura e produção de texto, atuando em escolas do Estado de São Paulo e da Prefeitura da Cidade de São Paulo

genero-e-tipologia-textual